Peito seco em galinha caipira



Para toda enfermidade que atinge as aves precisamos tomar notas de algumas questões antes de chegarmos a qualquer conclusão prévia. Há muitas questões envolvidas citarei apenas algumas. A melhor forma de chegar a uma conclusão correta é através de exame específico em laboratório reconhecido, quando não é possível utilizamos meios alternativos sempre se atentando técnica e ciência e não por ‘achismo’ ou adivinhação da doença.


1º Entender o porquê a ave contraiu esta doença.

2º O que podemos fazer para que ave não adoeça por esta doença novamente.

3º Identificar os sintomas, para a partir dos sintomas podermos identificar a doença.

4º Após a identificação da doença partimos para o tratamento, a posterior prevenção da doença novamente.


Explicarei o quadro clínico peito seco o mais detalhado possível !


Primeiro ponto o peito seco geralmente ocorre por descuido do criador, pois é um quadro clínico onde a ave encontra se em avançado estado de desnutrição e por muitas vezes com enfermidade associada.


O quadro de desnutrição pode ocorrer por diversos motivos que ocasionam a falta de apetite, o corpo da ave em uma atitude emergencial passa a consumir os energéticos do próprio corpo, após consumir a gordura corporal, começa a consumir a musculatura para transformar em energia, nesse momento aparece visualmente o peito seco, o peito de quina, o peito de faca.

Muitas vezes o peito seco só é descoberto neste estágio do quadro clínico pois nesse momento, ave não se locomove, esta com respiração cansada, diarreia entre outros sintomas que levam o criador a notar o problema.

O modo mais eficiente de resolver é com os exames laboratoriais em mãos para descobrir o que causou o peito seco e tratar a partir deste principio.

Quando não for possível o atendimento especializado, há meios alternativos para recuperar ave citarei um deles.

Citarei por ordem cronológica como a ave chega a este quadro de desnutrição tão grave.


1 – A ave contrai uma enfermidade, pode ser respiratória, no trato digestivo , ou por fungos, bactérias, entre outros meios.

2 - O criador não nota essa doença, por falta de atenção e tempo ou a ave não demonstra sintomas físicos fáceis de identificar, ou ambos os itens.

3 - A doença se agrava e ave deixa de se alimentar de sólidos e líquidos.

4 - Após o corpo consumir todo estoque de energia da ave ele começa a consumir e atrofiar a musculatura, em muitos casos gerando inflamações já que ave não se movimenta, neste momento há também o surgimento de outras enfermidades associadas além da inicial, pois o sistema imunológico da ave esta muito debilitado, após isso nos próximos dias ou horas a ave falece pelo conjunto de doenças adquirido que podem gerar dificuldades em efetuar a termorregulação, dificuldade em respirar, entre muitos outros males, ou até mesmo pela falência dos órgãos já que o corpo não possui condições de manter vivo.

• Quando é notado o peito de seco muitas vezes temos menos de 72h para realizar o tratamento farmacológico, nutricional e manejo e a ave ter tempo de responder positivamente ao tratamento, então tudo deve ser realizado com estrema urgência e precisão.

Atualmente na literatura não há ainda um tratamento ideal para o peito seco, ainda carece de estudos para termos um embasamento técnico para essa questão.

O tratamento a seguir que desenvolvi e lhe contarei a seguir carece de mais testes e estudos, até o presente momento vem apresentando bons resultados em todos os casos em que a ave tempo de reagir ao tratamento.

1 º passo - A ave deve ir para um local arejado e ao alcance do dono o ideal é uma gaiola com piso de grade para não haver contato com as fezes e facilitar a limpeza e que essa seja coberto as laterais para evitar corrente de vento e perda de calor, a gaiola deve possuir aquecimento artificial por lâmpada incandescente outro meio de modo que a temperatura corporal da ave fique entre 40º a 42º medida no termômetro físico.

Mede se a temperatura corporal da ave debaixo da asa e pela inserção da ponteira do termômetro no anus da ave faça a medição aproximadamente de 3h em 3h isso vai depender da disponibilidade de tempo do responsável pelos cuidados da ave.

Nesse ponto deve se observar se ave esta com o bico aberto com dificuldade de respirar e asas abertas, isso significa que esta muito quente então deve se distanciar cerca de 10 a 20 cm a fonte de calor do corpo da ave e monitorar para ver se ela melhora.

Com estes cuidados acima resolvemos o problema da termorregulação sendo um esforço a menos para o corpo da ave enferma.


2 º passo – Vamos começar a tratar a deficiência nutricional da ave, forneceremos Avitrin ps (peito seco) do laboratório da Coveli http://coveli.com.br/linha-avitrin-ps-peito-seco/ conforme recomendações da bula.

Ao invés de disponibilizar água para ave forneceremos soro caseiro, que pode ser feito em casa ou adquirido gratuitamente no postinho de saúde Receita para 1 copo de 200 ml de soro caseiro – 2 medidas rasas de açúcar, do lado maior da colher padrão – 1 medida rasa de sal, do lado menor da colher padrão – 1 copo (200 ml) de água filtrada, fervida ou mineral engarrafada ou consiga também no postinho a colher de medida do soro.

Ao provar o soro caseiro, este não deve ser mais salgado que uma lágrima, por exemplo.

Além de colocar no bebedouro próximo a ave, deve se fornecer conforme estimativa de consumo de água por ave usaremos neste caso a recomendação da Embrapa: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/frango_de_corte/arvore/CONT000fc6f3kwx02wx5eo0a2ndxyk275ne1.html .

3º Trataremos agora a(s) possível(eis) doença(s) que ave contraiu, como estamos sem exames em mãos para saber a causa precisa, entraremos com medicação de amplo espectro sempre seguindo as orientações da bula.


1- Antibiótico Injetável de amplo espectro ESPECÍFICO PARA AVES EX: Recomendo gentamicina de qualquer laboratório se não for da Chemitec acessar o site http://www.chemitec.com.br/produto/antibioticos-5/animais-de-producao-e-equinos-2/6 e seguir a bula do Gentatec, ou outro de amplo espectro lembrando que tem que ser específico para ave.


2- Anti inflamatório Injetável a base de dexametasona ou outro disponível na região.


3- Utilize o probiótico organew conforme indicação da embalagem e antitóxico mercepton ambos para combater os efeitos nocivos da aplicação do antibiótico.


4- Para alimentação da ave, forneça através da seringa sem agulha, ração conforme a idade da ave, misturada com o soro caseiro, umedecer a ração e facilitar a alimentação da ave. Para pintinhos forneça 54gr de ração úmida diariamente e para aves adultas de 100 a 150gr conforme peso da ave.

5- Após o desaparecimento dos sintomas, realizar aplicação de vermífugo e reaplicar a cada 6 meses. EX: Proverme ou Mebendazole.



Retirado do Whatsapp.



0 visualização

FIQUE CONECTADO. ACOMPANHE NOSSAS REDES SOCIAIS

  • 33702
  • 33447
  • icon-04-512
  • 33265

ENTRE EM CONTATO

© 2020 por GetUp Holding

​CRIATÓRIO VIÇOSA

Sítio Recanto da Mata, Zona Rural - Paula Cândido/MG CEP: 36.544-000